Engenheiro agrônomo divide profissão com a música

Profissional de Faxinal dos Guedes, Juliano Deon, já cantou em bandas da região e formou dupla sertaneja

Por Kiane Berté

17/11/2019 09:32 - Atualizado em 17/11/2019 09:32



Juliano é formado em agronomia, mas além de atuar na área, faz a coisa que mais gosta que é cantar (Foto: Arquivo pessoal)

Juliano Cézar Deon é um jovem de 26 anos apaixonado pela música. Ele descobriu que gostava de cantar aos 11 anos de idade, quando se inseriu em aulas de violão, em Faxinal dos Guedes, cidade onde reside até hoje. 

 

Através do curso, ele aprendeu a tocar o instrumento e foi se aperfeiçoando com o passar do tempo. Aos 15 anos, ele foi chamado para cantar em bandas de baile, que são muito fortes na região, ficando por cerca de cinco anos.


“Meus pais sempre me apoiaram, mas fiquei um pouco restrito quanto comecei a tocar bailes, porque era um pouco novo e às vezes limitava as minhas saídas de casa, mas sempre tive um apoio legal em casa”, diz.


Após as apresentações nos bailes, Juliano acabou se juntando com um amigo, e juntos formaram a dupla sertaneja ‘Marlon Celso e Juliano’. A dupla durou dois anos. Segundo Juliano, o motivo teria sido pelos trabalhos extras e pouco tempo para as apresentações. 


Na sequência, o músico começou a cantar em bares, sozinho. Após seis meses de apresentações, ele fez o convite a outro amigo, Gustavo Gavasso, e ambos começaram a se apresentar em pubs, bares, formaturas, casamentos e outros eventos.

Cantor já fez parte de bandas da região (Foto: Arquivo pessoal)

A segunda dupla de Juliano segue viva até os dias de hoje, porém, apesar de seu amigo e colega ainda atuar no ramo da música, Juliano acabou ficando mais distante dos palcos e do microfone, devido a sua nova carreira profissional.


Juliano, que adora a música nativista, não compõe suas músicas, porque diz não ter o dom para tal, mas interpreta canções populares e sempre busca ser o mais eclético possível para agradar ao público.


“Agradeço a oportunidade de ter aprendido a tocar um instrumento. A música me abriu muitas oportunidades no cenário que eu trabalho hoje, me abriu muitas portas, porque muitas apresentações me trouxeram visibilidade, onde as pessoas se lembram de você, que você cantou em eventos”, conta o engenheiro, que é formado há quatro anos.


Juliano hoje trabalha como agrônomo, mas mesmo não estando presente como antes no mundo da música, ele ainda toca seus instrumentos, como a guitarra, o contrabaixo, a bateria, e o seu principal instrumento, o violão.


“Eu indico para todas as pessoas que tenham o desejo de tocar algum instrumento, que além de ser muito prazeroso, ela [a música] pode te favorecer muito no decorrer da sua vida profissional”, finaliza.





COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.