Em nova audiência, Senado debate indenização a familiares de vítimas do acidente da Chapecoense

Tragédia aérea vai completar três anos em novembro

Por Oeste Mais

14/08/2019 12:34 - Atualizado em 14/08/2019 12:34



Uma nova audiência pública no Senado Federal será realizada com o objetivo de encontrar soluções para que os familiares das vítimas do acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em 29 de novembro de 2016, sejam indenizados. Até o momento, ninguém foi responsabilizado judicialmente.

Acidente ocorreu no final de novembro de 2016 (Foto: Agência Reuters)

Ainda no dia 18 de junho, um encontro foi realizado para cobrar respostas e contou com a presença apenas dos familiares das vítimas da tragédia. Para a segunda audiência, marcada para a manhã desta quinta-feira, às 10 horas, a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Senado, convidou, além dos parentes, os jogadores que sobreviveram à queda, o primeiro-secretário da embaixada da Bolívia, os representantes da Aeronáutica Civil da Colômbia, CBF, Conmebol, Comando da Aeronáutica, Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Economia, BISA Seguros, LaMia, entre outras autoridades.

 

O avião que transportava a delegação da Chape para a primeira partida da final da Copa Sul-Americana caiu na madrugada do dia 29 de novembro de 2016. O acidente causou a morte de 71 pessoas, entre jogadores, dirigentes, funcionários, convidados, jornalistas e membros da tripulação.

 

Em 27 de abril de 2018, a Aeronáutica Civil da Colômbia divulgou o relatório final sobre o acidente. A conclusão é que faltou combustível para chegar a Medellín e que a empresa aérea LaMia fez gestão de risco inadequada.

 

Entre as principais conclusões apresentadas estão:

 

- 40 minutos antes do acidente, o avião já estava em emergência e a tripulação nada fez. Houve indicação, luz vermelha e avisos sonoros na cabine. "A tripulação descartou uma aterrissagem em Bogotá ou outro aeroporto para reabastecer", diz o documento.

 

- o controle de tráfego aéreo desconhecia a "situação gravíssima" do avião.

 

- a tripulação era experiente, com exames médicos em dia.

 

- o contrato previa escala entre Santa Cruz e no aeroporto de Medellín, mas a empresa planejou voo direto.

 

- a LaMia estava em situação financeira precária e atrasava salários aos funcionários. A empresa sofria de desorganização administrativa.

 

- a LaMia não cumpria determinações das autoridades de aviação civil em relação ao abastecimento de combustível. Quando foi apresentado o relatório preliminar, já havia sido destacado que o piloto estava consciente de que o combustível que tinha não era suficiente. O piloto, Miguel Quiroga, “decidiu parar em Bogotá, mas mais adiante mudou de ideia e foi direto para Rionegro", onde o avião caiu.

 

- a Colômbia deve melhorar controles sobre voos fretados.

Com informações do Globo Esporte


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.