Após fazer sucesso com bordões, Pilha se dedica na carreira de humorista

Humorista de Xaxim ficou conhecido pelas frases “tá contente agora?”, “só pra se incomodar” e "pode abandonar"

Por Kiane Berté

03/10/2019 18:04 - Atualizado em 03/10/2019 19:06



Pilha e seus companheiros em uma apresentação de stand up (Foto: Arquivo pessoal)

“Tá contente agora?”

 

Esse bordão deve ter passado pelas redes sociais de muitas pessoas da região e fora dela. Quem já conhece sabe que se trata da frase mais conhecida de Pilha, o humorista mais popular do Oeste catarinense.

 

Muitas pessoas o conhecem apenas pelo apelido, que ficou popular entre os grupos de WhatsApp em 2013. Elvio Danhaia tem 40 anos, é natural de Concórdia, mas mora em Xaxim há cinco anos.

 

Elvio tinha um sonho comum de infância, desses que a maioria dos adolescentes de hoje tem. Ele queria ser caminhoneiro. O sonho foi saindo do papel até conseguir realizá-lo. Pilha viajou com caminhão durante 15 anos, desde 2000.

 

Ele explica que o apelido surgiu nessa época. “Quando comecei a viajar, os motoristas me apelidaram porque eu andava demais. Dormia duas horas por dia e já acelerava. Daí me falaram: olha o pilhado aí. Um motorista chamado Sapecado acabou me apelidando de Pilha. Aí ficou pra sempre”, relembra.

 

O sucesso de Pilha começou quando, em 2013, o WhatsApp veio para o Brasil. O aplicativo de troca de mensagens instantâneas levou o humorista à fama logo nos primeiros áudios mandados por ele em grupos de amigos.

 

“Comecei a contar histórias de quem se separava, quem perdia tudo no casamento. E eu perdi, fui casado quatro vezes, mas só pra incomodar”, conta aos risos.  

 

Os casamentos podem até ter dado errado na vida de Pilha, mas com eles, Elvio ganhou dois filhos: a Amanda, de 19 anos, e o caçula Kelvin, de dez.

Humorista Pilha (Foto: Arquivo pessoal)

Os bordões

 

Quando os áudios do Pilha começaram a circular pelos grupos de WhatsApp, os bordões começaram a surgir naturalmente. A mania de falar “pode abandonar” acabou se tornando muito popular entre os internautas.

 

Além desse, “tá contente agora?” e “só pra se incomodar” também ganharam espaço entre os compartilhamentos nas redes sociais e na boca dos fãs. “O povo gostou e todo mundo fala agora”, comenta.

 

Fama nas redes

 

Pilha possui diversas redes sociais. Nelas ele divulga os próprios trabalhos com um humor prá lá de descontraído.

 

A página que possui no Facebook é acompanhada por mais de 200 mil pessoas. O canal no YouTube tem mais de 20 mil inscritos, além de outros 35 mil seguidores na conta pessoal do Instagram.

 

“Gravamos vídeo para o YouTube uma vez por semana, toda a sexta-feira. Para a página, a gente grava brincadeiras, os vídeos de trabalho, de eventos, de fotos, postamos tudo por lá”.

Pilha e seu Chevette amigo (Foto: Arquivo pessoal)

Companheiro de estrada

 

Pilha tem um Chevette ano 90, movido a álcool. Ele é o companheiro das horas de folga do humorista. O carro foi adquirido quando Pilha ficou solteiro pela quarta vez. “Quis ter um Chevette pra ver se ele incomoda mais do que o casamento, mas ele incomoda menos”, brinca.

 

Trabalhos extras

 

Os áudios de sucesso fizeram Pilha crescer na carreira de humorista. Hoje ele apresenta programas de humor em rádios, no famoso “Hora do Pilha”, no ar de segunda a sexta-feira, contando ao menos três piadas por dia.

 

“Eu montei meu stand up e faço shows de humor há três anos. Apresentações em eventos, teatros, e atualmente faço participação junto com Tchó e Bépp, apresentando humor”.

 

Em 2015 ele participou da gravação de uma música com a vocalista da banda Mercosul, Classy, “Louca Dentro das Roupa”. Mais tarde, conseguiu gravar outra música com o Grupo Marcação, além de participar de programas de TV e rádio, como Pânico, Pretinho Básico e Pagode da Ofensa.

 

Nas próximas semanas, Pilha aguarda para fazer uma participação no Programa do Ratinho. “A agenda tá bem corrida, graças a Deus. Esse ano tá melhor que ano passado”, comemora.







COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.