Brasileiros vão precisar de visto físico em passaporte para entrar no México

Mudanças vão começar a valer a partir do dia 18 de agosto

Por Redação Oeste Mais

04/08/2022 14h07 - Atualizado em 04/08/2022 14h10



A partir do dia 18 de agosto, o governo do México vai exigir que brasileiros que queiram entrar no país tenham visto físico em mãos, junto ao passaporte.

 

Hoje, para conseguir a permissão para cruzar a fronteira, basta uma autorização eletrônica emitida pelo Instituto Nacional de Migração. A partir do dia 18, brasileiros precisarão agendar um horário e ir até a embaixada em Brasília ou aos consulados no Rio de Janeiro e em São Paulo para conseguir o documento que tem validade de 180 dias.

 

Além disso, deve se apresentar uma cópia do documento de identidade, do passaporte e um formulário, e pagar uma taxa de US$ 48 – equivalente a R$ 253,62, no câmbio atual.

 

Não precisarão emitir um visto físico mexicano pessoas que tiverem visto válido para Canadá, Estados Unidos, Japão, Reino Unido, Irlanda do Norte ou qualquer um dos países que compõem o acordo de Schengen –tratado de livre circulação entre nações europeias.

 

O visto eletrônico havia sido implantado pelo México no final de 2021. Entre outros fatores, a mudança se deu em meio à pressão dos Estados Unidos, que vivem uma crise climática na fronteira sul – pela qual cada vez mais brasileiros tentam entrar de forma irregular.

 

O número de barrados vem apresentando crescimento, com 5.118 registrado em maio deste ano, contra pouco mais de 1,3 mil em março, segundo o Departamento de Controle de Fronteiras.

 

Os brasileiros são só uma parte de um movimento que deve bater novo recorde. O total de barrados na fronteira tem ficado acima de 200 mil por mês desde março e, em maio, atingiu 239 mil, maior cifra mensal já registrada – o dobro do que se via em 2021.

Com informações do NSC Total


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.