Madrasta de jovem que teve rosto queimado após acidente com mini lareira dá detalhes sobre recuperação

Polícia investiga como o fato aconteceu e deve ouvir testemunhas nesta quarta-feira

Por Redação Oeste Mais

01/06/2022 10h12 - Atualizado em 01/06/2022 10h16



Mini lareira é semelhante a da foto, que causou a explosão no rosto da jovem (Foto: Reprodução)

A madrasta da adolescente de 17 anos que teve o rosto queimado em um acidente envolvendo uma mini lareira em um bar de Joinville, no Norte de Santa Catarina, afirmou que o estado de saúde da jovem ainda é grave, mas estável.

 

Em uma postagem nas redes sociais na noite de segunda-feira, dia 30, Mayara Simões, detalhou a recuperação da enteada. De acordo com a madrasta, o cabelo da adolescente precisou ser cortado, o que era um dos temores da menina. A vítima está intubada, sedada e sob ventilação mecânica na UTI do Hospital São José.

 

Mayara ainda revelou que os cuidados agora são para que adolescente não adquira nenhuma infecção, já que os ferimentos estão expostos. “Então, será uma longa jornada. Um dia após o outro e não sabemos quanto tempo ficará na UTI”, escreveu.

 

Polícia Civil investiga o caso

 

Na manhã desta terça-feira, dia 31, a Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) informou que testemunhas do caso serão ouvidas nesta quarta-feira. A delegada Cláudia Gonçalves afirmou que já recebeu imagens do momento em que a jovem é atingida pelas chamas.

 

“Já foi aberto um termo circunstanciado para a apuração dos fatos. Provavelmente, por uma lesão corporal culposa. A gente vai apurar como se deu o fato”, afirmou a delegada.

 

Segundo a prefeitura de Joinville, o bar está com o alvará de funcionamento regularizado e dentro das normas sanitárias, conforme a Secretaria de Saúde.

Relembre o acidente

 

A adolescente foi encaminhada ao hospital com ferimentos graves no início da noite de domingo, dia 29, após um acidente com uma mini lareira em um bar de Joinville. De acordo com familiares, ela sofreu queimaduras de terceiro e segundo grau no rosto, pescoço e em uma das mãos.

 

Segundo o pai da jovem, Adelcio José Iarovski Lele, a filha estava na presença de mais três amigas quando tudo aconteceu. Ele relata que uma mini lareira que estava presente em todas as mesas do estabelecimento, havia se apagado onde as meninas estavam sentadas e, por isso, um dos garçons se aproximou com um galão que continha líquido inflamável para reacender as chamas.

 

No entanto, segundo Adelcio, o homem não percebeu que ainda havia chamas no recipiente e, ao despejar o produto, causou uma explosão próximo do rosto da adolescente.

Com informações do g1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.