Mulher suspeita de ser passar por médica é presa no Vale do Itajaí

Hospital emitiu nota sobre o caso, dizendo que suposta profissional não era contratada

Por Redação Oeste Mais

13/05/2022 18h13 - Atualizado em 13/05/2022 18h13



Uma mulher de 34 anos, suspeita de se passar por médica em um hospital de Pouso Redondo, no Vale do Itajaí, foi presa em flagrante e autuada pela Polícia Civil nesta sexta-feira, dia 13.

 

A suspeita, que não teve a identidade divulgada, pagou fiança após ser ouvida na delegacia e foi liberada. Segundo documentos apresentados pela mulher, ela nasceu no Paraguai, mas também possui nacionalidade espanhola.

 

O caso aconteceu em 6 de maio e foi confirmado pelo delegado Diones de Freitas nesta sexta-feira, quando a Polícia Federal foi acionada.

 

Em nota, a unidade de saúde informou que a mulher queria um emprego no local e foi conhecer o espaço, por isso estava no hospital. Conforme o delegado, ela estava acompanhada de um médico durante a manhã, e teria iniciado um procedimento de sutura de pontos na mão de um paciente.

 

No entanto, o profissional que a observava percebeu que ela não tinha conhecimento sobre medicina e interrompeu o trabalho.

 

Diante disso, o colega teria questionado a estrangeira com perguntas sobre o exercício da profissão, mas ela não soube responder. A Polícia Militar foi chamada e, segundo Freitas, prendeu-a em flagrante por falso exercício da profissão.

 

"Nosso médico responsável técnico que atua todos os dias dentro do hospital, das 7h às 19h, conversou com ela e a chamou para acompanhar um procedimento simples, e observou que ela não tinha afinidade nenhuma com a medicina", disse, em nota, a direção do hospital.

 

Na Central de Plantão Policial, a polícia confirmou que alguns documentos apresentados pela suspeita eram falsos e tinham sido retirados da internet.

 

No depoimento, no entanto, ela seguiu confirmando que era formada em medicina. "Estava com um jaleco escrito que era cirurgiã", afirmou o delegado.

 

Segundo Freitas, a Polícia Civil também entrou em contato com unidades de saúde em que a mulher afirmou ter trabalhado, mas não conseguiu confirmar a versão dela.

Confira a íntegra da nota emitida pelo hospital:

 

Direção do Hospital Annagret Neitzke

"Uma mulher foi-nos apresentada para trabalhar em nosso hospital como médica em fevereiro de 2021, dizendo que era formada no Paraguai, com pós-graduação na Espanha. Na hora, deixamos bem claro que só seria possível trabalhar se tivesse documentação do CRM [Conselho Regional de Medicina] do Brasil, e ela disse que iria providenciar. Agora, em abril de 2022, ela retornou, dizendo que estava em Pouso Redondo e tinha documentos, e, como sempre precisamos de profissionais, recebemos ela. Nosso médico responsável técnico que atua todos os dias dentro do hospital, das 7h às 19h, conversou com ela e a chamou para acompanhar um procedimento simples, e observou que ela não tinha afinidade nenhuma com a medicina. E, neste momento, a equipe observou a documentação dela e percebeu que era falsa. Imediatamente, chamamos a Polícia Militar, que tomou todas as medidas cabíveis. Deixar claro que ela não atuou no hospital, não estava contratada".

Com informações do g1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.