Empresário aproveita sucesso com número de celular divulgado em música de Gusttavo Lima para promover corrente solidária

Carlos direciona mensagens recebidas ao perfil nas redes sociais para arrecadar alimentos

Por Redação Oeste Mais

20/01/2022 11h32 - Atualizado em 20/01/2022 11h32



Carlos conta que já recebeu diversas mensagens e ligações (Fotos: Arquivo pessoal/Divulgação)

A música "Bloqueado" do sertanejo Gusttavo Lima ganhou repercussão após fãs usarem o número mencionado para enviar mensagens e passar trotes, independente do DDD. Na música, o cantor narra a história de um homem apaixonado que tenta contato com um amor antigo, mas se lembra que o número foi bloqueado pela amada.

 

Sabendo disso, um artista plástico e empresário de Ribeirão Preto (SP) passou a usar seu número com código de área de Goiânia para ajudar o próximo, já que seu celular possui o mesmo contato citado na canção.

 

Desde que a música estourou, Carlos Henrique Faria tem recebido mensagens até de fora do Brasil e direcionado para seu perfil no Instagram que atua em ações sociais. O que poderia ser uma amolação, virou uma forma de fazer o bem.

 

“Atendi muitas [ligações] e eu peço para irem para o meu Instagram. Estou destinando esse resultado positivo para ações beneficentes. Eu já tenho um monte de doação. Comida, água, roupa, cama, fogão. Tem um que está doando carreta, com diesel e motorista para levar as doações”, afirmou o artista.

 

No perfil do instagram, há informações sobre uma corrente de doações para vítimas de enchentes, para o Hospital do Amor de Barretos (SP) e outras instituições. “Eu ajudo porque já passei por incêndio na minha empresa, enchente na minha casa, vendaval nos meus painéis em 1994. Trabalhei com todas as adversidades possíveis”, conta Carlos.

 

Autorização

 

Faria informou, também, que não tem a intenção de processar Gusttavo Lima e que até fez um documento no cartório autorizando o uso do número. Ele, porém, não sabe os motivos de os compositores terem citado justamente o contato dele na música e ainda pretende um dia, conversar com o cantor.

Alimentos são arrecadados e doados as vítimas de enchentes, hospitais e outras ações sociais (Foto: Arquivo pessoal/Divulgação)

Com informações do g1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.