Governador apresenta ações no combate aos efeitos da estiagem em Chapecó

Estado está investindo pelo menos R$ 350 milhões até o fim do próximo ano em medidas de resiliência hídrica

Por Redação Oeste Mais

13/01/2022 18h02



Carlos Moisés esteve no Oeste na última quarta-feira (Foto: Divulgação)

O governador Carlos Moisés veio ao Oeste catarinense na tarde da última quarta-feira, dia 12, para apresentar as ações do Governo do Estado com objetivo de mitigar os efeitos da estiagem, que afeta Santa Catarina há três anos.

 

Ao lado da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o chefe do Executivo estadual falou para uma plateia formada por prefeitos e produtores rurais que o Estado está investindo pelo menos R$ 350 milhões até o fim do próximo ano em medidas de resiliência hídrica. Apenas em 2022, o Programa SC Mais Solo e Água destinará R$ 150 milhões aos produtores rurais, subsidiando a instalação de cisternas, poços artesianos, entre outras medidas.

 

Segundo Carlos Moisés, a intenção é fazer com que o SC Mais Solo e Água seja um programa perene, que possa manter a competitividade do agronegócio, que responde por mais de 70% das exportações catarinenses.

 

Visita às propriedades

 

Após o encontro com a ministra, o governador se encaminhou às propriedades rurais dos Menegatti, no interior de Chapecó. Tanto o produtor rural Wolmir Menegatti quanto o primo Antoninho Menegatti foram beneficiados com o Programa SC Mais Solo e Água. No caso de Antoninho, foi construída uma cisterna com capacidade para mais de 1 milhão de litros de água. Ele conta que, sem a estrutura, teria que abdicar da produção de aves e suínos. “Sem isso, a nossa prioridade ficaria inviabilizada. Nosso consumo diário é de 30 mil litros. Esse programa do Estado foi muito importante”, diz.

 

O primo Wolmir foi beneficiado com a perfuração de um poço artesiano. Ele diz que a estrutura, com mais de 100 metros de profundidade, garante a retirada de 15 mil litros/hora. Além disso, ele também pretende adquirir uma cisterna com a ajuda do Governo do Estado, para seguir com a produção do gado leiteiro.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.