Chapecó inicia programa de Terapia Assistida com Cães em crianças com deficiência

Primeiro encontro aconteceu nesta terça-feira, na sede do quartel dos bombeiros

Por Redação Oeste Mais

24/11/2021 20h47





Uma parceria entre o Corpo de Bombeiro Militar de Santa Catarina (CBMSC) e o estágio de Fisioterapia Neurofuncional da Unochapecó, possibilitou o início do programa de Terapia Assistida com Cães (TAC) com crianças em Chapecó. O primeiro encontro aconteceu nesta terça-feira, dia 23, na sede do quartel dos bombeiros, em Chapecó.


O CBMSC restringe exclusivamente a terapia com cães e teve seu início em 2004, na Apae de Xanxerê. O projeto já foi realizado nas cidades de São Miguel do Oeste, Maravilha, Itajaí, Tijucas e São José.

 

Nas atividades e brincadeiras, as crianças desenvolvem o lado afetivo e as atividades motoras estimulam o interesse e a satisfação em aceitar o tratamento. A ação está sendo realizada em crianças com autismo, paralisia cerebral e síndrome de down.


De acordo com presidente da coordenadoria de Busca, Resgate e Salvamento com cães, Tenente Coronel Walter Parizotto, não é qualquer cão que pode participar deste projeto, já que exige paciência e tranquilidade do animal. “É preciso que ele passe por alguns testes e até cursos, nas quais são trabalhadas técnicas de obediência e destreza” destaca o Tenente.

 

Davi Gois é um dos assistidos pelo programa. Os pais do menino, que tem paralisia, relatam que ele estava tranquilo e teve um contato calmo com o animal. “Foi emocionante, pois achamos que ele ficaria assustado”, contam.


Os programas de TAC estavam interrompidos devido à Pandemia da COVID-19, porém como aumento das taxas de vacinação e flexibilização dos protocolos sanitários, o CBMSC voltou a oferecer o serviço à comunidade, respeitando as medidas de segurança necessárias.





Ação está sendo realizada em crianças com autismo, paralisia cerebral e síndrome de down (Fotos: Emanuelli de Lima/Divulgação)

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.