Tragédia com o avião da Gol completa 15 anos nesta quarta-feira

Voo 1907 seguia para o Rio de Janeiro quando se chocou com o jato Legacy, ocasionando a morte de 154 pessoas

Por Redação Oeste Mais

29/09/2021 14h25 - Atualizado em 29/09/2021 14h31



Queda do avião da Gol completa 15 anos nesta quarta-feira (Fotos: Divulgação)

Há exatos 15 anos, o Boeing da Gol que fazia o voo 1907 de Manaus até o Rio de Janeiro chocou-se com o jato Legacy ocasionando a morte de 154 pessoas.

 

O avião caiu a 30 km de Peixoto de Azevedo, em Mato Grosso, na terra indígena Capoto-Jarinã, e ninguém a bordo sobreviveu. O jato com sete passageiros conseguiu pousar na Serra do Cachimbo, no Pará. À época, foi a maior tragédia da aviação brasileira até então.

 

No dia 29 de setembro de 2006, o voo 1907 da Gol saiu de Manaus com destino ao Rio de Janeiro e escala em Brasília por volta de 15h35. O jato Legacy saiu de São José dos Campos, em São Paulo, às 14h51, e iria fazer uma parada em Manaus. Depois, seguiria para os Estados Unidos.

 

Leia também: “Uma tragédia dessa a gente não supera, aprende a conviver com a perda”, diz pai de uma das vítimas do voo da TAM.

Queda da aeronave deixou 154 pessoas mortas (Fotos: Divulgação)

Por volta de 21 horas, a Gol informou em nota o desaparecimento do Boeing e o choque com o jato. Em seguida, a Força Aérea Brasileira (FAB) e o Corpo de Bombeiros iniciaram as buscas pelas vítimas do acidente. Os primeiros destroços e corpos demoraram a ser encontrados devido ao difícil acesso ao local onde a queda aconteceu, uma área de mata fechada. Uma base de apoio foi montada na Fazenda Jarinã, próximo ao local do acidente, para o resgate das vítimas.

 

Na manhã do dia seguinte, um domingo, os militares conseguiram encontrar os destroços do avião e os corpos começaram a ser resgatados. As duas caixas-pretas do Boeing da Gol foram encontrados na segunda-feira, dia 2 de outubro, e confirmaram a colisão com o jato Legacy.

 

Leia também: Pais refazem passeio a Gramado, onde filha esteve antes de morrer em acidente com avião da TAM.

 

O trabalho de resgate durou cerca de 50 dias e envolveu mais de 800 pessoas, entre militares e voluntários. O último corpo a ser encontrado foi o do bancário Marcelo Paixão Lopes, que foi identificado por DNA quase dois meses depois da queda da aeronave. 

 

Durante as investigações, as famílias da vítimas criaram uma associação para acompanhar e cobrar informações sobre o acidente.

 

Em 2016, ano em que o acidente aéreo completou dez anos, a Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou um documentário emocionante sobre os bastidores da operação de resgate, mostrando todos os detalhes do acidente e como os soldados fizeram para socorrer todas as vítimas do voo 1907.

 

Leia também: Aeromoça gaúcha, que morreu na tragédia do voo 3054, pedia aviões de brinquedo como presente de aniversário.













Com informações do G1

gol

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.