Filha de soldado baleado no assalto a banco ganha festa de aniversário

Esmeraldino havia prometido para a menina que no aniversário de seis anos dela, daria uma festa para comemorar

Por Oeste Mais

25/08/2021 14h29 - Atualizado em 25/08/2021 14h29



Ana Liz comemorou o aniversário ao lado do pai (Foto: Divulgação)

Dias antes da madrugada que mudou a sua vida para sempre, Jeferson Luiz Esmeraldino fazia um plano para dali a nove meses. Queria organizar em um shopping de Tubarão a festa de seis anos da sua filha Ana Liz. Mas o turno de 30 de novembro de 2020 na Polícia Militar em Criciúma acabou com esses planos.

 

Uma quadrilha invadiu a cidade. Queria o dinheiro do Banco do Brasil. Conseguiram R$ 125 milhões. No caminho, havia o batalhão da PM. Por volta das 23h50 daquela noite de segunda-feira, depois de sitiar policiais, se depararam com um pequeno grupo de homens da lei. Na troca de tiros, a sorte não estava ao lado do soldado Esmeraldino.

 

Baleado na Avenida Gabriel Zanette, a poucos metros do batalhão da PM, ele tornou-se um símbolo, com seu sangue e sofrimento, do que Criciúma viveu naquela madrugada e tornou-se notícia internacional.

 

O jovem soldado, que completou 33 anos hospitalizado, em 1º de fevereiro, passou a lutar incessantemente pela vida. Os tiros foram potentes, de armas de grosso calibre, o que colaborou para deteriorar o quadro de saúde do soldado.

 

"O tiro foi nele, mas nos acertou em cheio", não cansa de repetir a mãe do PM baleado, Sandra Aparecida Nunes.

 

Leia também: Sem movimentos do corpo, soldado baleado em assalto a banco precisa de ajuda para tratamento

 

Festa de aniversário de Ana Liz

 

Esmeraldino, antes de ser baleado e ficar acamado, prometeu à filha que daria uma festa de aniversário para ela. 

 

"Ela lembrou. E contou que estava triste pois não conseguiriam fazer a festa, pois o papai está doente", destacou a mãe do policial e avó da menina.

 

Os médicos que cuidam de Esmeraldino souberam da história e acabaram ajudando a família. A menina Ana Liz ganhou uma festinha, com direito a comidas, bebidas, e fantasias da 'Bela e a Fera', que tanto queria.

 

"Ela se vestiu de Bela, e o meu filho nós vestimos de Fera. Conseguimos colocar ele na cadeira de rodas e ele participou. Sem se mover, sem reagir, do jeitinho dele, mas estava ali", comentou a mãe, muito emocionada.

 

Ana Liz está em tratamento psicológico, para encarar a nova realidade vivida com o pai, tão presente na vida dela. 

 

Policial foi baleado durante ação dos bandidos e ficou acamado, há nove meses (Foto: Divulgação)

Uma cirurgia e a grande esperança

 

Sandra, o seu marido, e Jeferson Esmeraldino seguiram para Florianópolis nesta terça-feira, dia 24, para dar mais um passo na luta pela recuperação do policial. Esmeraldino deve passar por cirurgia nesta quarta-feira, dia 25.

 

"A expectativa é que colocando ele possa ter uma melhora. Não é 100%, mas tudo tem que ser feito", relatou a mãe.

 

Os médicos que acompanham Esmeraldino apontam que, com a válvula, é possível alcançar um estágio que possa levar o paciente a reagir. 

 

Esmeraldino vai se mudar em breve

 

​Promovido pela Polícia Militar, de soldado a cabo, por ato de bravura, Esmeraldino não voltará a ter vida normal. A luta é por conferir dignidade a ele. 

 

Há alguns meses, colegas de PM lançaram uma campanha para arrecadar recursos visando ampliar a casa da família, para melhor acolher o policial baleado. 

 

Com o dinheiro somado, a família foi aos cálculos, e encontrou uma alternativa melhor. Em vez de construir uma edícula para abrigar Esmeraldino, vão trocar de endereço.

 

"Conseguimos alcançar o recurso. Avaliamos e a gente conseguiu negociar uma casa nossa na praia, juntar com o valor arrecadado, daí compramos uma casa, com a documentação toda certa, no nome dele, em um bairro melhor, onde ele terá privacidade e o conforto dele", detalhou a mãe.

 

A mudança será logo após a cirurgia a qual o PM se submeterá nesta quarta-feira em Florianópolis.

Com informações do NSC TV


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.