Boletim hídrico aponta agravamento da seca no Oeste e Extremo-Oeste

Dentre os 295 municípios, 163 estão em estado de normalidade, 99 de atenção, quatro de alerta, e 17 em situação crítica frente à estiagem

Por Redação Oeste Mais

21/05/2021 09h27 - Atualizado em 21/05/2021 09h27



Volumes de chuva mal distribuídos na primeira quinzena de maio contribuíram para o agravamento da seca no Oeste e Extremo-Oeste, aponta o Boletim Hidrometeorológico Integrado do Estado divulgado nesta quinta-feira, dia 20.

 

Dentre os 295 municípios de Santa Catarina, 163 estão em estado de normalidade; 99 de atenção; 4 de alerta, e 17 em situação crítica frente à estiagem. Além disso, 12 cidades não encaminharam informações da situação.

 

Nas regiões Oeste e Extremo-Oeste ocorreram cerca de 100 mm de chuva abaixo da média para menos. Diversos municípios estão com o abastecimento público comprometido.

 

O secretário Executivo do Meio Ambiente, Leonardo Ferreira, reforça que agora é hora da colaboração de todos.

 

“As projeções continuam a mostrar um período de estiagem prolongada no Estado. O uso da água deve ser priorizado para casos essenciais. De um lado, temos a redução drástica nos mananciais de abastecimento em alguns municípios e, do outro, aumento da demanda do uso deste bem. Precisamos economizar. Seguimos monitorando e atuando de forma estratégica e colaborativa, para minimizar os impactos da seca”, enfatiza.

 

Previsão

 

Está prevista para esta sexta-feira, dia 21, e sábado, dia 22, a formação de um ciclone extratropical na costa do Rio Grande do Sul e a passagem de uma frente fria pelo estado, provocando chuva em todas as regiões. Os modelos indicam acumulados de até 30 mm, mas que pontualmente podem ser maiores devido a possibilidade de temporais.



Nos demais dias, entre 23 de maio e 3 de junho, o predomínio será de tempo estável. Não há, até o momento, previsão de chuva significativa em Santa Catarina neste período.



A previsão para o trimestre maio, junho e julho é de precipitação abaixo da média para para o estado, principalmente no Meio-Oeste, o que caracteriza a permanência da estiagem no estado.



A gerente de Fiscalização de Saneamento da Aresc, Luiza Burgardt, reforça que o órgão regulador continua auxiliando no monitoramento, com atenção especial às regiões Oeste e Meio-Oeste. "Com a tendência de agravamento da estiagem , agora mais do que nunca, torna-se extremamente necessário auxílio da população através de atitudes conscientes quanto ao consumo de água ", finaliza.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.