Um dos trigêmeos que estava internado no HRO em Chapecó é transferido para Maravilha

Théo é filho de Caroline Gotardo que foi intubada um dia após dar à luz, e conheceu filhos 23 dias depois

Por Kiane Berté

07/05/2021 08h27 - Atualizado em 07/05/2021 08h29



Alice e Manuela já em casa, ao lado dos irmãos (Foto: Arquivo pessoal)

O pequeno Théo Gotardo, um dos trigêmeos que nasceu prematuro de 30 semanas após a mãe ter complicações causadas pela Covid-19 e precisar ser intubada após o nascimento deles, deixou a unidade hospitalar em Chapecó, nesta quinta-feira, dia 6, e retornou para a cidade onde a família reside, em Maravilha.

 

O bebê estava no berçário do Hospital Regional do Oeste (HRO), e agora, praticamente em casa, sem previsão de alta, se recupera no Hospital São José, de Maravilha, segundo a mãe, até aprender a mamar sozinho. 

 

Théo, mesmo estando em Chapecó para tratar um problema que teve no pulmão, recebeu toda a atenção do pai Irno Gotardo. Conforme a mãe Caroline, os médicos realizaram uma avaliação na criança, que descartou o contágio pela Covid-19. As irmãs também não contraíram o vírus.

 

Caroline tem 39 anos e realizou uma cesariana de emergência nas 30 semanas de gestação. Foram 19 dias respirando através de um tubo, outros dois dias na UTI e mais sete dias em um quarto de hospital, se recuperando. Após 23 dias, ela pôde conhecer os bebês e comemorar a vida.

 

Os trigêmeos Alice, Manuela e Théo foram fruto de uma gravidez não planejada, mas que agora completam a família e alegram o dia dos pais. Logo, Théo estará em casa para fazer companhia aos irmãos Gustavo, de 16 anos, Giovana, de 11, e a pequena Ana Lívia, de quase dois anos de idade.








COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.