Estudante que perdeu perna em acidente no Oeste fala sobre momentos difíceis e recuperação

Ana Carla Luckmann de 29 anos estava indo para o trabalho quando acabou colidindo a moto contra uma caminhonete

Por Kiane Berté

12/04/2021 10h41 - Atualizado em 12/04/2021 11h00



Jovem de 29 anos sofreu o grave acidente em fevereiro deste ano (Foto: Arquivo pessoal)

A jovem Ana Carla Luckmann, de 29 anos, carrega no corpo as cicatrizes de um grave acidente que sofreu no início de fevereiro deste ano. A estudante de Enfermagem e Farmácia reside em Quilombo, no Oeste, e foi no centro da cidade, no dia 9 de fevereiro, que a vida dela mudou.

 

Ana Carla, na época, trabalhava em dois empregos entre o período da manhã e tarde. Ela se deslocava para o serviço de babá, por volta das 12 horas, quando acabou colidindo a moto contra uma caminhonete estacionada, fraturando a perna.

 

“Ele [condutor do veículo] resolveu dar um ré pra avenida pra sair e não viu que eu estava vindo de moto. Eu não consegui desviar e dei em cheio na camionete dele. Com a pancada, me jogou lá na outra pista. Assim ficou minha perna, minha coxa destruída”, relata a estudante.

 

Ana Carla foi socorrida pelos bombeiros após o acidente, e encaminha ao hospital de Quilombo. Ela relembra que ficou por duas horas na unidade hospitalar com a fratura exposta, até a chegada da equipe do Saer Sara, que a transferiu para o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó.

Motorista dava ré sobre a pista quando Ana Carla passava pelo local (Foto: Divulgação)

Momentos difíceis no hospital

 

A jovem passou por três cirurgias durante a internação, que durou 30 dias. Já no primeiro procedimento, Ana precisou fazer a amputação da perna fraturada devido à grande quantidade de sangue que perdeu. Para conseguir colar o osso de volta no lugar, precisou ficar por 26 dias com um fixador externo.

 

“Após a primeira cirurgia, eu acordei meia-noite sem dor, porém, já não tinha minha perna toda. Quando o médico veio me ver pela manhã, eu já sabia. Eu tive duas paradas respiratórias durante a cirurgia”, conta.

 

Debilitada, ela estava desacreditada pela equipe médica, já que a situação era bastante delicada.

 

“Morfina era água para mim naquele momento”.

 

Ana Carla após perder a perna direita (Foto: Arquivo pessoal)

Covid-19 e recuperação

 

Após uma semana de internação, e passando por momentos difíceis a todo tempo, Ana Carla acabou contraindo a Covid-19 dentro da unidade hospitalar. Segundo ela, a situação só a prejudicou, pois precisou ficar no oxigênio e completamente isolada.

 

Quando ela já estava recuperada, foi encaminhada para ortopedia. Depois, os procedimentos cirúrgicos foram crescendo, onde ela passou por mais duas cirurgias na perna. “Tenho 5 pinos na coxa e tenho platina no comprimento da coxa toda”.

 

O médico responsável por ela havia estipulado um tempo de até três meses internada por causa do acidente. Porém, um mês depois, Ana Carla já estava em casa, aos cuidados da família.  

 

“Minha recuperação foi excelente”, comemora.

 

Ensinamentos

 

Apesar das dificuldades que encontrou diante do grave acidente, Ana não largou os estudos e, após dois meses, retomou a faculdade. Com a ajuda do pai, irmãos e um psicólogo, a jovem está aprendendo aos poucos a ter uma rotina normal e dando exemplo de superação.

 

“Estou me recuperando, sinto dores cada dia menos. Aprendi muito com esse acidente. Estou vendo a vida de outra forma, aprendi a viver um dia de cada vez”, comenta. “Um dia eu quero fazer pelas pessoas tudo o que fizeram por mim”, finaliza a estudante de Enfermagem.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.