Reconhecimento de novas áreas livres da vacinação é um avanço do agro brasileiro

Federação catarinense cita aumento da proteção sanitária e classifica como progresso nacional o status sanitário concedido ao PR, RS e outros Estados

Por Oeste Mais

12/03/2021 11h00



Os Estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia e Acre, além de duas regiões do Amazonas e do Mato Grosso, foram informados nesta semana pelo Governo Federal que estão mais próximos de alcançar o status sanitário conquistado por Santa Catarina há 13 anos: o reconhecimento internacional de área livre da febre aftosa sem vacinação.

 

Em setembro do ano passado, as Federações conquistaram o reconhecimento nacional pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e agora receberam a informação de parecer favorável da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

 

O anúncio foi feito pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) ao informar que o parecer será avaliado durante a 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE em maio. O Paraná também recebeu parecer favorável como zona livre de peste suína clássica independente. Os selos ampliam a comercialização para o mercado externo.

 

Na avaliação da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), o reconhecimento de novas áreas livres é um avanço do agronegócio brasileiro e a certificação dos Estados vizinhos amplia a proteção sanitária catarinense. De acordo com o presidente José Zeferino Pedrozo, há 20 anos como única área livre sem vacinação no país e há 13 com status internacional, Santa Catarina consolidou mercado e ampliou as exportações, meta também almejada pelos demais Estados.

 

"A febre aftosa é a doença mais temida do setor no mundo e o Brasil tem como meta erradicá-la definitivamente em todo seu território. Por isso, o reconhecimento alcançado pelos novos Estados é um avanço porque ampliará as áreas protegidas, além do mercado. As empresas frigoríficas exportadoras atuam em todo o Brasil, não só em Santa Catarina e, por isso, contarmos com mais frigoríficos aptos para exportação é importante para o setor no País, diante da demanda crescente por proteína animal no mundo".


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.