Radar de R$ 10 milhões não funciona há cinco meses em SC

Equipamento é importante para salvar vidas, dizem prefeitos

Por Redação Oeste Mais

21/01/2021 08h37 - Atualizado em 21/01/2021 09h11



Pouco mais de um mês após a enxurrada que causou 21 mortes no Vale do Itajaí, o radar meteorológico de Lontras continua sem funcionar. Fora de operação há pelo menos cinco meses, o equipamento está em fase de ajustes finais para voltar à atividade, segundo a Defesa Civil estadual, que não deu data exata para o funcionamento.

 

O radar foi inaugurado em 2014, com um investimento de R$ 10 milhões. Ele tem capacidade para cobrir 191 dos 295 municípios catarinenses.

 

Em dezembro, na época da enxurrada, a Defesa Civil do Estado afirmou que a inoperância dele não prejudicou os alertas que foram emitidos na noite do temporal. Mas prefeitos da região dizem que ele é importante para evitar problemas e "salvar vidas".

 

"O radar de Lontras ia ajudar mais a ver, mais ou menos, a quantidade de chuva, mas esse quantitativo a gente já possuía. Mesmo com o radar de Lontras ou sem o radar de Lontras, não havia como prever que esse acumulado de chuva ia acontecer num curto espaço de tempo", disse o diretor de Gestão de Riscos da Defesa Civil, Felipe Gelain, logo após as enxurradas.

 

Ao todo, 18 pessoas morreram em Presidente Getúlio, duas em Rio do Sul e uma em Ibirama. O chefe da Defesa Civil estadual, Aldo Baptista Neto, afirmou que houve a substituição de uma peça e agora o radar passa por calibração.

 

“Nós conseguimos importar dos Estados Unidos, um trabalho executado entre o governo do estado e a empresa contratada de manutenção, essa peça. Essa peça já foi substituída e no dia de hoje [quarta-feira (20)], esta semana, encontra-se exatamente em processos de ajuste fino e de calibração para muito em breve esse radar voltar a operar”, afirmou.

 

Ele tem capacidade para cobrir 191 dos 295 municípios catarinenses (Foto: Divulgação)

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.