Atuação impede suspensão de penhora pedida por empresa de alimentos com dívida de R$ 250 mil em ICMS

Ao ser comunicada da execução fiscal à época, a empresa não pagou a dívida nem indicou bens que pudessem ser penhorados a fim de cobrir os tributos devidos

Por Redação Oeste Mais

02/12/2020 13h17 - Atualizado em 02/12/2020 13h17



A Justiça de SC negou um pedido de uma empresa de alimentos com sede no Estado para que a penhora de seus ativos financeiros online (Bacenjud) fosse suspensa após o parcelamento do débito. Na ação, que começou a tramitar em 2013, a Procuradoria-Geral do Estado (PGE) tentava recuperar mais de R$ 250 mil devidos pelo contribuinte em Imposto sobre a Circulação de Mercadorias, Bens e Serviços (ICMS).

 

Ao ser comunicada da execução fiscal à época, a empresa não pagou a dívida nem indicou bens que pudessem ser penhorados a fim de cobrir os tributos devidos. A PGE solicitou, dessa forma, o bloqueio dos valores existentes nas contas da empresa correspondentes ao débito - o que foi aceito pela Justiça. Cerca de dois anos depois, porém, o contribuinte solicitou o parcelamento da dívida e a execução fiscal foi suspensa. No entanto, apenas duas das 120 parcelas foram pagas, e os procuradores pediram que a 2ª Vara da Fazenda e Regional de Execução Fiscal da Comarca de Blumenau, onde tramita o processo, transferisse o montante penhorado (cerca de R$ 13,2 mil) para as contas do Estado.

 

Em 2019 a empresa solicitou novo parcelamento dos débitos para ter suspensa a execução fiscal, mas apenas oito das 60 parcelas foram pagas. Mesmo assim, o contribuinte ingressou com um Agravo de Instrumento contra a decisão de primeira instância, que determinou a penhora de ativos financeiros, alegando que a dívida foi parcelada e por isso o bloqueio dos valores nas contas bancárias não poderia ocorrer.

 

A PGE, no entanto, alegou que o pedido de penhora foi formulado antes do parcelamento das Certidões de Dívida Ativa (CDAs), e que “mesmo que tivesse havido parcelamento anterior ao pedido, ainda assim não seria ilegal o bloqueio” pois a suspensão “exigibilidade do crédito” só pode ocorrer com a confirmação do pagamento das parcelas. Além disso, todos os parcelamentos anteriores foram cancelados por inadimplência.

 

No voto publicado na última semana, o relator do recurso, desembargador Júlio César Knoll citou entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do TJSC que considera que “o parcelamento tributário possui o condão de suspender a exigibilidade do crédito, porém não de desconstituir a garantia dada em juízo”, e que as informações apresentadas pela PGE que comprovavam a inadimplência da empresa nos acordos demonstraram que a “realidade fática” alegada pelo contribuinte não existe mais.




COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.