Família de Ponte Serrada investe na produção de lúpulo

Fernando e Felipe Fachinello começaram com o plantio em 2018, para poder fabricar a própria cerveja

Por Kiane Berté

07/08/2020 13h44 - Atualizado em 07/08/2020 14h47



Família Fachinello tem plantio de lúpulo e produz a própria cerveja (Foto: Arquivo pessoal)

Ingrediente responsável por gerar o amargor e o aroma característico da cerveja, o lúpulo, despertou interesse na família Fachinello, de Ponte Serrada, para a produção da própria cerveja. Os irmãos Fernando e Felipe passaram a investir nesse meio em 2017, quando Fernando, que é formado em Engenharia de Alimentos e hoje finaliza a faculdade de Ciências Contábeis, não estava contente com o emprego que tinha. Com a ideia de ter o próprio negócio e de poder criar alguma coisa, ele passou a estudar possibilidades e aí surgiu a ideia de iniciar a produção de cerveja artesanal.

 

Eles resolveram, então, adquirir um conjunto de equipamentos pequenos para a produção de 20 litros por batelada, conseguindo fazer até 100 litros de cerveja por mês.

 

“Ficamos nessa produção por uns três anos, aí agora, no final do ano passado [2019] resolvemos aumentar, trocamos todo o equipamento e conseguimos fazer até 400 litros por mês, porém ainda estamos testando, pois como mudou tudo, não segue o mesmo padrão dos 20 litros de antes”, explica Fernando.

 

O processo de produção é feito da seguinte maneira: inicia na escolha dos insumos, do tipo malte, de lúpulo e de levedura, e depois, o grão passa pela moagem. Logo, adiciona-se a água à panela e inicia as "rampas", que são a transformação do amido que tem no grão, em açúcar.

 

“Este processo em si é extremamente importante, pois é o que determina a eficiência e a quantidade de álcool que a cerveja terá depois”, diz. “A adição do lúpulo na fervura, vai determinar o quanto a cerveja ficará amarga. Também podemos adicionar o lúpulo no final da fervura ou no "dry hop" que aí dará o aroma. O dry hop é quanto se adiciona o lúpulo durante a fermentação ou maturação, pois quando se ferve o lúpulo o aroma evapora. Após o "mosto" resfriar, iniciamos a fermentação, o qual é adicionado a levedura selecionada de acordo com o tipo de cerveja que está sendo feita, cada estilo tem uma levedura própria, fermenta por mais ou menos dez dias", explica. "Após isso, vem a maturação, aonde deixamos a cerveja entre 0 a 1°C fazendo com que os sólidos decantem, clarificando a cerveja e também fazendo com que os aromas indesejáveis criados na fermentação volatilizem, este processo demora de 15 dias ou mais, dependendo do estilo de cerveja”.

Plantio da família iniciou em 2018 (Fotos: Arquivo pessoal)

Mesmo produzindo cerveja para o próprio consumo, o produtor explica que a bebida em si é um pouco cara para se fazer, dependendo do estilo dela. Fernando até da o exemplo de uma IPA, que é uma cerveja escura e forte, adorada por muitos cervejeiros, que consiste em muito malte e lúpulo. “A levedura precisa de laboratório para cultivar, então fora de questão”, disse ele ao analisar a produção da própria cerveja. “O malte é a cevada ou o trigo "malteado" que é um processo complicado de se fazer, pois depende de silo”.

 

Fernando informou que para a safra 2020/21, eles estão aumentando a produção para 1.500 plantas de lúpulo, com a estimativa de três mil para a safra 2021/22. Fernando atualmente é sócio da Aprolupulo (Associação Brasileira dos Produtores de Lúpulo), uma associação com sede em Lages, que auxilia produtores do Brasil inteiro.

 

“No Brasil não existem produtores grandes de lúpulo, por isso nosso foco hoje é a plantação, deixamos um pouco a cerveja de lado para focar nisto. O trabalho é muito maior, o custo de produção também, porém, o lucro é maior”, diz o produtor, que pretende futuramente abrir uma cervejaria no município onde reside.

 



Plantio de lúpulo

 

Como os insumos que eles adquiriam eram de um custo muito elevado, os irmãos passaram a procurar pelo lúpulo para plantar. Conforme Fernando, a dificuldade para encontrar a planta era grande. O engenheiro encontrou as mudas na internet, de um produtor do Rio Grande do Sul. Após esse primeiro contato, ele resolveu conhecer o espaço e adquiriu cinco mudas, pagando em torno de R$ 50 cada uma. O plantiu iniciou em 2018.

 

“As mudas não tinham registro nem nada, pois o Mapa não tinha regularizado nada ainda. Passou um tempo então adquiri mais 40 mudas, todas da variedade Cascade, que era a que eu mais utilizava nas minhas cervejas”.

 

Após passar o inverno, a produção começou a ser razoavelmente boa, conforme o produtor, e eles passaram a fazer investimentos no plantio de lúpulo. Iniciaram com cerca de 150 plantas apenas, devido ao grande custo para implantação.



As primeiras plantas compradas por Fernando e Felipe foram todas da variedade Cascade, porém, pensando na diversidade para vendas futuras, outras como Fuggle, Nugget, Columbus, Comet, Hallertauer, Mitterlfrueh, Hallertauer Magnum, Centennial e Brewers Gold, também foram adquiridas.

 

Atualmente a família possui aproximadamente dois hectáres de área preparada para o plantio, no município de Ponte Serrada. Até o momento, os irmãos já produziram mais de 20 diferentes cervejas, mas apenas para o próprio consumo, já que ainda não possuem nenhum registro para poder comercializar. 

 

Enquanto não puderem comercializar a cerveja como gostariam, Fernando e Felipe apresentam as bebidas feitas por eles aos familiares e amigos, que degustam e dão opinições sobre o sabor e aroma, para assim ter um norte por onde seguir no novo invetimento da família.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.