Equipe do governo de SC se reúne para tratar sobre nuvem de gafanhotos da Argentina

Especialista na área diz que possibilidade de chegada ao estado é remota

Por Oeste Mais

25/06/2020 08h08 - Atualizado em 25/06/2020 08h08


O governo de Santa Catarina realizou nesta quarta-feira, dia 24, a primeira reunião de trabalho para planejar as ações de resposta diante da possibilidade de ingresso da nuvem de gafanhotos migratórios que está em deslocamento no território argentino. O encontro foi realizado de forma virtual e contou com a participação de representantes da Defesa Civil Estadual (DCSC), Epagri, Cidasc, Secretaria de Estado da Agricultura e Corpo de Bombeiros Militar.

 

Segundo especialistas da área, a possibilidade de chegada em Santa Catarina é remota. Mesmo assim, o monitoramento da nuvem será realizado de forma preventiva, com a integração dos órgãos envolvidos e coordenado pelo Centro Integrado de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cigerd).

Governo catarinense monitora situação (Foto: Divulgação)

A tendência climática para os próximos dias indica que os ventos favorecem o afastamento da nuvem de gafanhotos do território brasileiro. A chegada de uma frente fria nos próximos dias pode contribuir ainda mais para a redução do risco, pois a espécie necessita de temperaturas acima de 25 graus para se manter ativa. A chuva também pode provocar a mortalidade dos insetos.

 

Ainda segundo os entomologistas da Epagri, a nuvem esteve mais próxima do território catarinense no início de junho, quando estava sobre a Argentina e próxima à fronteira com o Paraguai. Hoje está mais perto de Uruguaiana, na fronteira com o Rio Grande do Sul.

 

O governo catarinense mantém contato e possui informações fornecidas pelo Serviço Nacional de Segurança e Qualidade Alimentar da Argentina (Senasa), pelo Ministério da Agricultura do Brasil e a Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul.

 

Segundo o governo, neste momento não há necessidade de ação preventiva por parte dos agricultores. O uso indiscriminado de agrotóxicos, além de desperdício de recursos, pode causar impactos negativos no meio ambiente, atingindo insetos polinizadores e prejudicando diversas culturas.

 

Alertas

 

Caso exista necessidade, a Defesa Civil e a Secretaria da Agricultura emitirão alertas para os agricultores e profissionais. Os produtores rurais que tiverem qualquer suspeita em relação à chegada de uma "nuvem de gafanhotos" podem procurar os escritórios municipais da Cidasc ou Epagri.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.