Mais de 80% dos municípios do Oeste decretam situação de emergência por causa da estiagem

Levantamento da Defesa Civil aponta que dos 91 municípios, 76 já emitiram decretos em decorrência da falta de chuva

Por Redação Oeste Mais

12/01/2022 10h08 - Atualizado em 12/01/2022 10h33



Déficit de água chega a 130 milímetros nas regiões Extremo-Oeste, Oeste e Meio-Oeste (Foto: Julio Cavalheiro)

Dos 91 municípios que integram a região Oeste de Santa Catarina, 76 (83,5%) já emitiram decretos de situação de emergência em razão da estiagem. Os números foram divulgados na manhã desta quarta-feira, dia 12, pela Defesa Civil.

 

Segundo a Epagri/Ciram, o verão em Santa Catarina será de chuvas abaixo da média em boa parte do estado e temperaturas acima da média principalmente no Oeste. Nos próximos três meses, a região deve enfrentar chuva abaixo da média climatológica.

 

A média atual de precipitações é inferior a 50 milímetros, quando o esperado seria em torno de 150 mm. “Estamos com um déficit de água de 130 milímetros. Isso afeta diretamente algumas culturas, como milho e soja, além das agroindústrias e a dessedentação animal”, explica o hidrólogo da Epagri/Ciram, Guilherme Miranda.

 

DECRETOS NA REGIÃO OESTE







A estiagem já reflete na safra de milho e os produtores podem ter perdas de até 50% na colheita. De acordo com a Epagri/Cepa, no Extremo-Oeste, principalmente no Vale do Rio Uruguai, a colheita esperada pode ter uma redução de 50%.

 

Previsão

 

Segundo o Boletim Hidrometeorológico Integrado divulgado nesta semana, entre os dias 14 e 21 de janeiro há uma tendência de mudança no padrão das chuvas pelo Brasil. Em Santa Catarina a chuva volta a ser mais frequente e os acumulados devem ocorrer de forma mais homogênea no estado, com valores entre 40mm e 90mm.

 

A previsão para o trimestre entre os meses de janeiro e março de 2022 é que o fenômeno La Niña siga em curso. Por isso a tendência é de que a chuva mais frequente siga restrita ao centro-leste catarinense, onde seus valores devem fica dentro a acima do normal (sobretudo entre o litoral, Baixo e Médio Vale do Itajaí), por conta da maior disponibilidade de umidade e atuação da circulação marítima. Já entre os Planaltos e Meio-Oeste a tendência é de chuva dentro a abaixo do normal, enquanto no Extremo-Oeste catarinense a chuva deve ficar abaixo do esperado para o trimestre.

 

O chefe da Defesa Civil em Santa Catarina, David Busarello, destaca que o Estado vem monitorando a situação em municípios afetados por estiagem, além de observação em tempo real das condições climáticas. “Por meio de nossas coordenadorias regionais estamos realizando levantamentos e atuando imediatamente para atender as demandas dos municípios e regiões afetadas”, afirma.

 

Programas

 

A Secretaria de Estado da Agricultura mantém programas especiais para aumentar a resiliência hídrica em Santa Catarina e minimizar os impactos das estiagens recorrentes.

 

Em 2021, por meio do Programa SC Mais Solo e Água, o governo estadual investiu R$100 milhões em financiamentos sem juros ou subvenção aos juros de financiamentos para apoiar a construção de sistemas de captação, armazenagem e distribuição de água no meio rural. Além da transferência de recursos para os municípios adquirirem equipamentos.

 

Foram 2,4 mil produtores beneficiados e serão 100 prefeituras atendidas. O Programa contará com mais R$ 200 milhões em investimentos nos próximos 2 anos.

 

Além disso, a Secretaria da Agricultura destinou R$ 4,5 milhões para aquisição de 126 distribuidores de água que foram cedidos para os municípios de Santa Catarina ao longo do último ano.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.