Chuvas mal distribuídas mantêm agravamento da estiagem no Estado

Dentre os municípios de SC, 145 estão em estado de normalidade, 71 de atenção, 21 de alerta, e nove em situação crítica frente à estiagem

Por Oeste Mais

06/06/2021 08h41 - Atualizado em 06/06/2021 08h41



O novo Boletim Hidrometeorológico Integrado do Estado aponta que os volumes de chuva abaixo do normal na maior parte de Santa Catarina nos últimos três meses contribuíram para a permanência do agravamento da estiagem. Eventos pontuais de precipitações consideráveis foram registrados, mas não houve distribuição adequada.

 

Na região do Extremo-Oeste, foram registrados 25 dias sem chuvas.

 

Dentre os 295 municípios de Santa Catarina, 145 estão em estado de normalidade; 71 de atenção; 21 de alerta, e 9 em situação crítica frente à estiagem. Além disso, 19 cidades não encaminharam informações da situação. Da última quinzena para cá, 8 municípios saíram da situação de criticidade e 12 voltaram para estado de normalidade. Porém, a situação caracteriza ainda preocupação e permanência da estiagem.

 

Para enfrentar o problema da estiagem, o governador Carlos Moisés enviou um Projeto de Lei para Assembleia Legislativa, que irá destinar R$ 100 milhões para construção de cisternas, apoio aos municípios e conservação de fontes e nascentes em todo o estado.

 

Caso aprovado, o recurso se somará às ações já existentes e os agricultores catarinenses terão acesso a R$ 343,5 milhões para minimizar os efeitos da crise hídrica.

 

Chuvas abaixo do esperado comprometem abastecimento

 

Na maior parte de Santa Catarina os acumulados de chuva ficaram entre 100 e 150 mm, entretanto, do Oeste ao Planalto Norte os valores ficaram entre 50 e 100 mm. Já na região do Extremo Sul Catarinense, a precipitação mensal ficou acima de 150 mm, com picos acima de 200 mm. Isso se deu por conta de duas frentes frias durante o mês, nos dias 21 e 28, que tiveram maior influência nessas áreas.

 

Diante disso, o comprometimento do abastecimento urbano em diversos municípios se elevou novamente devido a alta intensidade da seca hidrológica sobre o Estado.

 

"A  Agência de Regulação de Serviços Públicos de Santa Catarina (Aresc) continua auxiliando no monitoramento, com atenção especial às regiões mais críticas. A preocupação continua junto com a permanência da estiagem, e o auxílio da população através de atitudes conscientes quanto ao consumo de água tornam-se extremamente necessários", finaliza a gerente de Fiscalização da Aresc, Luiza Burgardt.

 

A previsão para o trimestre junho, julho e agosto é de precipitação abaixo da média para Santa Catarina, principalmente, na metade Oeste, o que caracteriza a permanência da estiagem no estado, em especial no Extremo Oeste.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.