Uma nova vacina pode ser a solução contra a acne

Tratamento combate a toxina responsável pelas inflamações nas glândulas sebáceas

03/09/2018 16:43



A acne, terror dos adolescentes (e de alguns adultos), pode estar com os dias contados. Isso porque uma promissora vacina contra o problema está em desenvolvimento.

 

A pesquisa, publicada no Journal of Investigative Dermatology, indica que um anticorpo específico é capaz de combater uma toxina responsável pela inflamação.

 

O estudo, realizado em camundongos e células da pele humana, testou a eficácia de uma série de anticorpos contra as inflamações e os resultados foram positivos. “Uma vez validado por um ensaio clínico com um grande número de pessoas, o impacto potencial de nossas descobertas pode ser enorme para milhões de pessoas que sofrem de acne resistente”, disse Chun-Ming Huang, pesquisador-chefe, ao The Independent.

 

Revolução terapêutica

 

O tratamento seria uma forma de imunoterapia. Atualmente as estratégias mais comuns contra a acne dependem de antibióticos, terapias hormonais ou do isotretinoína, um outro tipo de medicamento.

 

Para Huang, as atuais opções de tratamento muitas vezes não são eficazes ou não são bem toleradas por 85% dos adolescentes que sofrem da condição. “Terapias novas, seguras e eficientes são extremamente necessárias”, comentou ao Medical News Today.

 

De acordo com Emmanuel Contassot, da Universidade de Zurique, na Suíça, as vacinas para acne poderiam ser mais seguras e mais eficazes do que os tratamentos existentes.

 

No entanto, no editorial publicado junto ao estudo, ele salientou que as imunoterapias contra acne devem ser cuidadosamente planejadas para evitar perturbações indesejáveis na microbiota. 

 

Desta maneira, o novo tratamento precisa garantir equilíbrio bacteriano já que algumas bactérias realmente ajudam a proteger a saúde geral da pele.

 

O próximo passo é a realização de ensaio clínico com um grande número de pessoas para descartar a possibilidade de efeitos colaterais.

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.