Sutiã poderá detectar câncer de mama

Criado por um estudante de 18 anos, o equipamento possui biosensores capazes de identificar mudanças associadas ao surgimento de tumores

Por Oeste Mais

07/05/2017 14:55 - Atualizado em 31/01/2018 23:11


Você já pensou na possibilidade de um sutiã ser capaz de detectar câncer de mama? Um estudante, inspirado na luta de sua mãe contra um tumor, não só teve a ideia, como inventou um sutiã capaz de  identificar sinais precoces da doença

 

A tecnologia, batizada de EVA Bra, foi desenvolvida pelo mexicano Julian Rios Cantu, de 18 anos, junto com mais três parceiros, e utiliza biosensores capazes de medir temperatura, peso e forma dos seios, alertando a usuária sobre possíveis mudanças.

 

Como funciona

 

O sutiã foi desenvolvido especialmente para mulheres com pré-disposição genética para o câncer de mama. Ele é equipado com 200 biosensores que monitoram a anatomia dos seios. Então, o equipamento envia os dados obtidos para um aplicativo, Eva Health, que informa e alerta as usuárias sobre possíveis mudanças relacionadas aos sintomas do câncer. O interessante é que só é preciso utilizar o sutiã por 60 a 90 minutos por semana para obter os resultados.

Sutiã equipado com 200 biosensores foi desenvolvido especialmente para mulheres com pré-disposição genética para o câncer de mama (Higia Technologies/Divulgação)

Desenvolvimento

 

Julian e seus amigos são donos da empresa Higia Technologies, que conquistou, em abril passado, o prêmio Global Student Entrepreneur Awards (GSEA), na Alemanha, pela invenção. O sutiã ainda está em fase de protótipo, mas, segundo os criadores, o prêmio de 20.000 dólares irá ajudar a dar continuidade ao desenvolvimento do produto. “Estamos empenhados em trazer maior qualidade de vida para as mulheres através da obtenção de uma profissionalização do método de ‘auto-exploração’ na detecção precoce e eficaz do câncer da mama”, declararam.

 

Quando o jovem tinha 13 anos, sua mãe quase morreu devido ao câncer. Quando ela descobriu os primeiros sinais, disseram que eram tumores benignos. Com o tempo descobriu-se que, na verdade, se tratava de um tumor maligno, que acarretou na remoção dos dois seios. O caso, inspirou Julian a encontrar um dispositivo que pudesse detectar mais cedo a doença. A invenção tem potencial para salvar milhões de vidas.

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.