Quanto uma criança pode ver de TV sem ficar obesa?

Estudo aponta o máximo de horas recomendadas para o hábito e detalha ainda a quantidade de atividades físicas e de sono

Por Oeste Mais

25/05/2017 10:33 - Atualizado em 31/01/2018 23:11


Um estudo apresentado no Congresso Europeu sobre Obesidade, em Porto (Portugal), publicou orientações sobre a quantidade adequada de horas que as crianças e adolescentes devem passar dormindo, vendo TV e praticando atividades físicas para se manter em forma. De acordo com a pesquisa, o Índice de Massa Corpórea (IMC) e a porcentagem de gordura corporal do indivíduo são significativamente menores quando as recomendações são seguidas.

 

O excesso de peso é um dos fatores de risco para uma série de doenças crônicas como diabetes e doenças cardiovasculares, que começam a se manifestar ainda na infância. De acordo com os pesquisadores, os comportamentos e o estilo de vida são os principais aliados para resolver os problemas de sobrepeso das crianças e adolescentes.

Das 357 crianças analisadas, 35% cumpriram a meta de 1 hora de exercícios físicos por dia (Foto: Shutterstock)

Os cientistas do Centro de Pesquisas Biomédicas de Pennington, nos Estados Unidos, analisaram o comportamento de 357 crianças e adolescentes entre cinco e 18 anos. Os pesquisadores adotaram como referencial as recomendações das diretrizes canadenses para uma vida saudável que sugerem que crianças e adolescentes pratiquem 60 minutos de atividade física por dia, passem menos de duas horas na frente da TV e durmam entre nove e 11 horas por noite (índice recomendado para crianças entre cinco e 13 anos) ou oito a dez horas (para adolescentes entre 14 a 18 anos).

 

Os resultados apontaram que, das crianças e adolescentes analisados, 35% cumpriram com as recomendações de exercícios físicos, 31% atingiram a meta de tempo em frente à TV e 52% alcançaram o índice adequado de sono. Analisadas as três condições em conjunto, 27% dos jovens não cumpriram com nenhuma das diretrizes e apenas 8% atingiram todos os três alvos.

 

A probabilidade de crianças/adolescentes que cumprem com as três recomendações serem obesos é 89% menor em comparação com as crianças que não respeitam nenhuma delas. Em relação aos indivíduos que exercem ao menos uma das orientações, a probabilidade de se tornar obeso é 24% menor do que aqueles que não realizam nenhuma das três.

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.