Pesquisadores já criaram vacina para o coronavírus da China

Especialistas em Hong Kong têm uma vacina contra o vírus, mas ainda precisam de tempo para testes em animais e humanos

Por Oeste Mais

29/01/2020 09h21 - Atualizado em 17/04/2020 14h39


Pesquisadores preparam proteção contra o contágio do coronavírus da China (Foto: Francesco Carta/Getty Images)

O microbiologista e médico Yuen Kwok-yung anunciou que pesquisadores de Hong Kong já desenvolveram uma vacina contra o novo coronavírus da China. No entanto, ela ainda precisa ser testada em animais, o que deve levar um longo período, segundo reportagem do jornal South China Morning Post.

 

Kwok-yung, que é diretor do centro de doenças infecciosas da Universidade de Hong Kong, não deu um prazo específico para o desenvolvimento da vacina contra o novo coronavírus da China. Ele estima que o tempo dos testes em animais pode ser de meses e será preciso ainda de mais um ano de testes em humanos antes do lançamento.

 

A nova vacina é uma modificação da vacina da gripe que se propõe a proteger tanto do coronavírus da China quanto de gripes comuns.

 

Para Kwok-yung, a vacina que está em desenvolvimento na China atualmente tem chances de ser baseada em uma versão inativa do vírus, que tem sua propriedade contagiosa destruída em laboratório, o que poderia resultar na apresentação de sintomas mais graves do que o normal em pessoas que tomarem a vacina e forem contaminadas com o vírus.

 

Além da China, pesquisadores dos Estados Unidos também se esforçam para criar uma vacina contra o novo vírus.

 

Sintomas

 

Os sintomas do coronavírus são parecidos com os da gripe. O vírus é da mesma família que o Sars, que no começo dos anos 2000 causou uma epidemia conhecida como gripe asiática.

 

Até a manhã desta quarta-feira, dia 29, eram 132 mortes confirmadas, 125 delas na província de Hubei, epicentro da propagação. Já são mais de seis mil casos confirmados em 17 países.

 

No Brasil, há três suspeitos, segundo o Ministério da Saúde, em Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. O governo, seguindo recomendação da Organização Mundial de Saúde, recomendou que viagens para a China sejam feitas apenas em casos de extrema necessidade.

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.