Turistas jogam R$ 14 mil em moedas nas Cataratas do Iguaçu e causam risco ambiental

Prática bastante comum entre os visitantes que querem realizar desejos é proibida no parque

Por Oeste Mais

06/11/2019 09:23 - Atualizado em 06/11/2019 09:23



A equipe do parque já retirou 329 quilos de moeda, um recorde histórico do parque (Foto: Reprodução/G1)

Com a baixa vazão das Cataratas do Iguaçu, no Paraná, foi possível notar um problema provocado por turistas, sobretudo os brasileiros. Só de moedas brasileiras, já foram coletados quase R$ 15 mil. Com pouca água, paredões de pedra estão à mostra, deixando visíveis milhares de moedas jogadas na água, o que é proibido.

 

Para alguns turistas, é a chance de fazer um desejo. Mas para o parque nacional, é um grande problema ambiental. Segundo Pedro Fogaça, biólogo do Parque Nacional do Iguaçu, muitas moedas se dissolvem com o tempo e seus metais pesados, como níquel e cobre, vão parar na água.

 

De acordo com o biólogo, já foram retiradas moedas que estavam no rio há mais de 30 anos. As moedas são corroídas com o tempo e esse metal pesado acaba contaminando a água. É uma contaminação química que afeta toda a cadeia alimentar.

 

A equipe do parque já retirou 329 quilos de moeda, um recorde histórico do parque. A maioria, moedas brasileiras. Na sequência, pesos argentinos e depois guaranis paraguaios.

 

Também foram encontradas moedas da China, Panamá, Israel, Japão, Austrália, Canadá e da África do Sul. Algumas moedas já até saíram de circulação há duas décadas. Somente de moedas estrangeiras foram 130 quilos recolhidos. Todas serão enviadas para reciclagem.

 

No total, foram recolhidos R$ 14 mil em moedas brasileiras. O valor será destinado a um dos 14 municípios que ficam às margens do Parque Nacional do Iguaçu. A escolha acontecerá por meio de concurso.

 

Quem também sofre com o efeito das moedas jogadas nas cataratas são os animais. Muitos deles, sobretudo peixes e aves aquáticas, confundem as moedas com suas presas por causa do brilho.

 

A limpeza é outro problema. A retirada das moedas só pode ser feita com equipamentos de segurança, por causa do risco de acidentes por parte dos bombeiros.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.