Mil pontos podem deixar de ter radar em rodovias federais até junho

Plano de ampliar rede para oito mil pontos em cinco anos foi barrado após ordem de Bolsonaro e será revisto

04/04/2019 15:28 - Atualizado em 04/04/2019 15:28


Mil pontos de rodovias federais administradas pela União podem ficar sem radar até junho. Eles são parte dos oito mil locais de fiscalização de velocidade que deveriam existir nos próximos cinco anos, mas cujas instalações foram suspensas na última segunda, dia 1º, para revisão, após ordem do presidente Jair Bolsonaro.

 

Esses radares iriam funcionar em rodovias não concedidas à iniciativa privada e que estão sob a responsabilidade do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit) - caso de 85% das estradas federais do país.

 

O governo informou que vai revisar a instalação de novos radares também nas rodovias federais concedidas.

 

No domingo, dia 31, Bolsonaro comentou em sua rede social que “após revelação do @MInfraestrutura de pedidos prontos de mais de 8.000 novos radares eletrônicos na rodovias federais do país, determinei de imediato o cancelamento de suas instalações. Sabemos que a grande maioria destes têm o único intuito de retomo financeiro ao estado".

 

Nesta quarta-feira, dia 3. o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, afirmou que o objetivo do governo não é acabar com os radares, mas, sim, instalar os equipamentos onde o excesso de velocidade causa acidentes.

 

Em nota na última segunda, o ministério disse que estudos técnicos já estão em andamento, mas não informou o prazo para que sejam concluídos.

Do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.