Funcionários da Vale e engenheiros que atestaram segurança de barragem são presos em SP e MG

Investigações apontam suspeita de fraude em documentos

29/01/2019 08:48 - Atualizado em 29/01/2019 08:48


Dois engenheiros que atestaram a estabilidade da barragem de Brumadinho (MG) e três funcionários da Vale, responsáveis pelo local e seu licenciamento, foram presos na manhã desta terça-feira, dia 29.

 

Os mandados de prisão temporária, expedidos pelo Juízo da Comarca de Brumadinho, têm validade de 30 dias. Até a última atualização das equipes de busca, 65 mortes tinham sido confirmadas e 279 pessoas estavam desaparecidas.

 

Segundo o MP-MG (Ministério Público de Minas Gerais), os três funcionários da Vale, presos na região metropolitana de Belo Horizonte, estavam "diretamente envolvidos e responsáveis pelo empreendimento minerário e seu licenciamento".

 

Em São Paulo foram presos os dois engenheiros terceirizados "que atestaram a estabilidade da barragem". O nome da empresa ainda não foi divulgado. A Promotoria pretende ouvir os cinco presos em sua sede na capital mineira.

Foto aérea da devastação provocada pela lama em Brumadinho (Foto: Cavex/Divulgação)

Em nota, a Vale disse que "está colaborando plenamente com as autoridades". "A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas".

 

A ação é realizada em conjunto pela Polícia Federal, Ministério Público Federal, as Promotorias mineira e paulista e as Polícias Civil e Militar de Minas Gerais. O objetivo da ação é "apurar a responsabilidade criminal pelo rompimento de barragem".

 

Além das prisões, foram expedidos outros 12 mandados de busca e apreensão, cumpridos em Minas Gerais e São Paulo.

 

A Justiça Federal de Belo Horizonte determinou cinco ordens judiciais contra a sede da Vale em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, e uma empresa na capital paulista que "prestou serviços e projetos e consultoria na área de barragens" para a mineradora. Pessoas ligadas às empresas também estiveram na mira dos investigadores.

 

Já a comarca de Brumadinho autorizou sete mandados de busca e apreensão na região metropolitana de Belo Horizonte e São Paulo.

Do UOL


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.