'Centrão' quer adiar debate sobre Previdência na CCJ, previsto para hoje

Comissão analisa se proposta de Bolsonaro está de acordo com a Constituição

15/04/2019 09:41



A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados tem reunião marcada para esta segunda-feira, dia 15, às 14 horas, para discutir a proposta da reforma da Previdência. Partidos do chamado "Centrão", contudo, articulam o adiamento dos debates.

 

O relator da reforma, Marcelo Freitas (PSL-MG), apresentou na semana passada parecer favorável à reforma. A votação está prevista para esta semana.

 

Na CCJ, os deputados analisam se a proposta do presidente Jair Bolsonaro está de acordo com a Constituição. O mérito (conteúdo) da medida, porém, só será discutido em uma comissão especial, ainda a ser criada.

 

Partidos como SD, DEM, PP e PR, incomodados com a articulação política do governo, passaram a defender que, antes da Previdência, a CCJ discuta a proposta que aumenta os gastos obrigatórios do governo.

 

A chamada PEC do orçamento já foi aprovada pela Câmara e pelo Senado, mas, como os senadores modificaram o texto, o projeto voltou para nova análise dos deputados.

 

Pauta de votação

 

O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), informou na última sexta-feira, dia 12, que decidiu colocar a reforma da Previdência como primeiro item da pauta por considerá-la prioritária.

 

A estratégia do "Centrão" é apresentar, contudo, um requerimento de inversão de pauta para fazer com que a comissão discuta primeiro a PEC do orçamento.

 

Parlamentares do "Centrão" dizem haver consenso sobre a PEC do orçamento, o que, em tese, garantiria uma análise relativamente rápida.

 

No entanto, se o requerimento de inversão de pauta for aprovado, a avaliação nos bastidores é de que dificilmente dará tempo para avançar com os debates da Previdência.

 

Pelos cálculos do presidente da CCJ, se todos os 66 titulares e os 66 suplentes, além de 20 deputados não-membros, se inscreverem para discursar, os debates poderão durar cerca de 20 horas.

 

Outra dificuldade para o governo é que, além disso, partidos de oposição, como PT e PSOL, críticos à proposta da Previdência, prometem apresentar requerimentos e recursos regimentais para atrasar os trabalhos.

 

Discursos dos deputados

 

Caso o debate sobre a reforma da Previdência tenha início nesta segunda-feira, o acordo parcial firmado entre deputados da oposição e aliados do governo é que todos os oradores inscritos poderão discursar.

 

Em troca, os parlamentares oposicionistas se comprometerão a não tentar obstruir a discussão nesta fase.

 

Pelo acordo parcial:

 

- integrantes da CCJ terão até dez minutos para discursar (o regimento permite até 15 minutos);

 

- não-membros da CCJ terão até cinco minutos para discursar (o regimento permite até dez minutos);

 

- somente 20 não-membros da CCJ poderão se inscrever para discursar.

Do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.