Caixa corta juros no crédito imobiliário e vai renegociar dívidas de 600 mil famílias

Banco também decidiu ampliar as formas de renegociação de financiamento imobiliário atrasado

Por Oeste Mais

06/06/2019 09:40



A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quarta-feira, dia 5, uma redução nas taxas de juros para operações pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) e divulgou também novas alternativas para renegociação de contratos habitacionais para pessoa física. O foco são as dívidas em atraso.

 

A taxa mínima para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) será de 8,5% ao ano (a.a.) e a máxima de 9,75% a.a. As novas taxas já começam a valer na próxima segunda-feira, dia 10.O

 

s clientes pessoa física da Caixa também terão novas alternativas e facilidades para a regularização de dívidas do financiamento imobiliário. A renegociação atinge cerca de 600 mil famílias e deve beneficiar 2,3 milhões de pessoas.

 

Para os contratos de financiamento habitacional serão oferecidas diferentes opções de negociação da dívida, com destaques para:

 

▪ Pagar à vista um valor de entrada e incorporar as parcelas atrasadas nas próximas prestações a vencer até o fim do prazo contratual;

 

▪ Utilização do saldo da conta vinculada do FGTS para reduzir o valor da prestação, conforme regras do Fundo;

 

▪ Alteração da data de vencimento da prestação;

 

▪ O cliente que não se enquadrar nos critérios anteriores pode procurar uma agência da Caixa para verificar a possibilidade de um acordo.

 

As condições de renegociação oferecidas dependem da situação do contrato, como valor contratado, valor da garantia, cota de financiamento e quantidade de prestações já pagas.

 

Essa ação é para todo o território nacional e os clientes poderão receber atendimento pelo telefone 0800 726 8068, opção 8, pelo site, nas redes sociais da Caixa, aplicativo, internet banking e nas próprias agências.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.