Aumento de salários de ministros do STF pode causar impacto de R$ 4 bi

Proposta que amplia os vencimentos de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil foi aprovada nesta quarta-feira pelo Senado

Por Oeste Mais

08/11/2018 08:54 - Atualizado em 08/11/2018 08:54


Os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) passarão de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil após o Senado aprovar nesta quarta-feira, dia 7, o aumento de 16%. Foram 41 votos favoráveis e 16 contrários. A proposta ainda precisa ser sancionada pelo presidente Michel Temer, que também pode vetá-la.

 

Segundo cálculos de consultorias da Câmara e do Senado, o reajuste poderá causar um impacto de R$ 4 bilhões nas contas públicas, já que o aumento nos salários dos ministros gera um efeito-cascata ao representar o teto do funcionalismo público. Caso o limite seja alargado, aumenta também o número de servidores que poderão receber um valor maior de gratificações e verbas extras que hoje ultrapassam o teto.

 

Nesta quarta, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que este não era o “momento” de se ampliar despesas. Ele também declarou ver o aumento de gastos “com preocupação”.

 

Os senadores também aprovaram um segundo projeto que reajusta em 16% o salário para o cargo de procurador-geral da República — os vencimentos também passarão para R$ 39,2 mil. A proposta foi aprovada de forma simbólica, sem contagem de votos.

 

Auxílio-moradia

 

O relator da proposta em plenário, senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou que “há um compromisso” já firmado pelo Supremo Tribunal Federal de “extinguir o auxílio-moradia” atualmente pago aos membros do Poder Judiciário “anulando, assim, o impacto existente”, disse.

 

“Levando em consideração a situação remuneratória dos membros do STF e da magistratura federal, que já estão há vários anos sem recomposição de seus subsídios, consideramos que o projeto deve ser aprovado”, afirmou Bezerra.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.