Confederação de municípios pede demissão de ministro Pazuello 'para o bem dos brasileiros'

Em nota, entidade cita suspensão da vacinação em cidades brasileiras e diz que o Ministério da Saúde tem 'ignorado os prefeitos' do país

Por Redação Oeste Mais

17/02/2021 11h01 - Atualizado em 17/02/2021 11h03



A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) divulgou nota nesta terça-feira, dia 16, em que diz ser "necessária, urgente e inevitável" a troca do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Segundo o texto, Pazuello não tem condições de conduzir a superação da pandemia e deve ser substituído "para o bem dos brasileiros".

 

O documento é assinado pelo presidente da CNM, Glademir Aroldi, e diz que a entidade tem recebido relatos de prefeitos indicando a suspensão da vacinação contra a Covid-19 para grupos prioritários, motivada pela falta de doses e de previsão de reabastecimento dos estoques.

 

Questionado, o Ministério da Saúde disse que não comentaria o tema porque a carta "não lhe foi endereçada". "O Ministério da Saúde e todos os seus dirigentes e corpo técnico estão trabalhando diuturnamente para dar a melhor resposta à sociedade", diz a pasta.

 

No texto, a CNM também afirma que tem tentado dialogar com a atual gestão do Ministério da Saúde – entre pedidos de agendas e de informação –. A pasta, diz a entidade, tem “reiteradamente” ignorado os prefeitos do Brasil.

 

“Por considerar que a vacinação é o único caminho para superar a crise sanitária e possibilitar a retomada do desenvolvimento econômico e social e por não acreditar que a atual gestão reúna as condições para conduzir este processo, o movimento municipalista entende necessária, urgente e inevitável a troca de comando da pasta para o bem dos brasileiros”, diz o documento divulgado.

 

Falta de planejamento

 

A CNM – que reúne 5.200 dos 5.565 municípios do país, incluindo 19 capitais – afirma que o comando do Ministério da Saúde "não acreditou na vacinação como saída para a crise e não realizou o planejamento necessário" para a compra de vacinas. Para a entidade, Pazuello adotou "postura passiva".

 

“Todas as iniciativas adotadas até aqui foram realizadas apenas como reação à pressão política e social, sem qualquer cronograma de distribuição para estados e municípios”, afirma a confederação.

 

Nesta quarta-feira, dia 17, Pazuello deve se reunir com governadores para tratar da crise sanitária no país. De acordo com o gabinete do governador do Piauí, Wellington Dias (PT), quatro temas estarão na pauta da audiência com o ministro: cronograma de entrega de vacinas; pagamento e ampliação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs); solução para o aumento de preços de medicamentos; e aquisição da vacina Sputnik-V e outras alternativas de imunizantes.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.