Presidente descumpre monitoramento por coronavírus, participa de ato e cumprimenta apoiadores em Brasília

Onze pessoas que viajaram com o presidente para os EUA testaram positivo para o Covid-19

Por Oeste Mais

16/03/2020 08h43 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



O presidente Jair Bolsonaro descumpriu, neste domingo, dia 15, a recomendação de monitoramento dada por médicos do governo em razão do novo coronavírus. Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada no início da tarde e participou de uma manifestação a favor do governo.

 

Em um primeiro momento, o presidente percorreu o lado oposto da Esplanada dos Ministérios, de carro, e recebeu acenos dos manifestantes. Em seguida, fez o caminho de volta e entrou no Palácio do Planalto.

 

Minutos depois, foi até a grade e apertou a mão de apoiadores. O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, apareceu ao lado de Bolsonaro nas imagens.

 

Questionada, a assessoria da Anvisa informou que Torres "recebeu um convite do presidente para uma conversa informal, aceitou e foi". A agência não quis comentar o risco associado a esse tipo de aglomeração.

O presidente Jair Bolsonaro foi a um ato de apoiadores em Brasília e cumprimentou alguns deles, contrariando recomendações médicas (Foto: Dida Sampaio/Estadão)

Na sexta, dia 13, após receber um exame de coronavírus com resultado negativo, o presidente disse aos apoiadores no Palácio da Alvorada que não daria a mão para cumprimentar as pessoas, como faz de costume.

 

“Apesar de o meu teste ter dado negativo, eu não vou apertar a mão de vocês. Nunca tinha visto ali qualquer problema. Se bem que, para a imprensa que está ouvindo ali, se eu tivesse com o vírus ou não tivesse, não estaria sentindo nada. Vida segue normal, um grande desafio pela frente, muitos problemas para serem resolvidos”, afirmou o presidente na ocasião.

 

Cinco pessoas que viajaram com o presidente para os Estados Unidos fizeram os exames e descobriram que pegaram coronavírus.

 

Além da recomendação de monitoramento, médicos e autoridades ligadas ao governo pediram que Jair Bolsonaro repita o exame de coronavírus na próxima semana. Até lá, era esperado que o presidente evitasse contato com aglomerações. A agenda de segunda, dia 16, por exemplo, não lista compromissos oficiais para o presidente.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.