Suicídios aumentam em um ano e Brasil tem 1 caso a cada 46 minutos

Dados foram apresentados pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira

21/09/2018 14h12 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



O Brasil registrou 11.433 mortes por suicídio em 2016, sendo em média, um caso a cada 46 minutos, segundo os dados apresentados pelo Ministério da Saúde, nesta quinta-feira, dia 20.

 

O número representa um crescimento de 2,3% em relação ao ano anterior, quando 11.178 pessoas tiraram a própria vida.

 

A diretora da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, no entanto, estima que o número seja maior. Em entrevista coletiva, ela citou "um subdiagnóstico de 20%".

 

As vítimas

 

O suicídio é, hoje, a quarta causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil. Entre os homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo mais comum e, entre as mulheres, o oitavo. 

 

Nos recortes apresentados pelo ministério, a maior taxa de mortes por suicídio a cada 100 mil habitantes é entre indígenas, 15,2 casos por 100 mil.

 

Entre os homens, o número chega a 23,1; entre as mulheres, a 7,7. De acordo com o Ministério da Saúde, 44,8% dos suicídios indígenas em 2016 ocorreram na faixa etária de dez a 19 anos.

.

A taxa de suicídio a cada 100 mil habitantes chegou a 9,2 entre os homens, um aumento de 28% em uma década. Entre as mulheres, a taxa é de 2,4.



Ligação gratuita

 

As ligações de prevenção de suicídio feitas para o Centro de Valorização da Vida (CVV), por meio do número 188, passaram a ser gratuitas para todo o Brasil desde 1º de julho, após assinatura de um convênio com o Ministério da Saúde.

 

O CVV é uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio, por meio de voluntários que dão apoio emocional a todas as pessoas que querem e precisam conversar. Eles recebem treinamento adequado e não precisam ter formação em psicologia. Todas as ligações são sigilosas.

 

Em 2018, o CVV espera mais de 2,5 milhões de atendimentos pelo número 188.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.